Quem somos

 

O M.90 É UM NEGÓCIO SOCIOAMBIENTAL QUE defende O AUMENTO DE ÁREAs VERDEs EM GRANDES METRÓPOLES ATRAVÉS DA INSTALAÇÃO DE JARDINS VERTICAIS com impacto na PAISAGEM URBANA, os PARQUES VERTICAIS. 

 
 

Liderado por Guil Blanche, o m.90 teve início em 2013 com o projeto do Corredor Verde do Minhocão, o primeiro corredor verde do mundo. O piloto comprova a eficiência paisagística e ambiental de transformar grandes vias da cidade em corredores verdes de parques verticais.

O m.90, além de realizar parques verticais em escala urbana, atua na implementação de jardins verticais em espaços comerciais e residenciais, assim como na divulgação de sua causa através de cursos, workshops e palestras. 

 
 
 
 

MANIFESTO

 

De forma pouco controlada e com leis incapazes de orientar um crescimento organizado, nos últimos oitenta anos o Brasil observou o surgimento de imensos centros urbanos.

 

Esta forma de crescer, que tem suas bases no imediatismo - relacionado à resolução de problemas e à obtenção máxima do lucro - gerou cidades com adensamentos desproporcionais e infraestruturas ineficientes, deflagrando lugares feios, barulhentos e poluídos. Se pararmos para criar uma imagem mental de uma metrópole, inevitavelmente ela será cinza, árida e repleta de edifícios verticais.

Em meio a este contexto, há cerca de 30 anos, o francês Patrick Blanc criou uma estrutura verde para cobrir os muros de Paris. Capaz de sustentar e nutrir plantas em superfícies verticais ele a batizou de Mur Végétal. A tecnologia melhora a qualidade do ar com plantas que filtram poluentes; ajuda a solucionar problemas térmicos do edifício onde está instalada e do seu entorno, impedindo que haja absorção e liberação de calor na empena; diminui de maneira dramática problemas acústicos e, em épocas de seca, aumenta a umidade relativa do ar ao seu redor.

A tecnologia do jardim vertical foi introduzida à realidade brasileira pelo m.90  substituindo a estrutura de Blanc, até então de material sintético, por material reciclado. Dessa forma, tornou-se mais acessível e interessante do ponto de vista ecológico. A estrutura do jardim vertical pode ser fixada em qualquer parede e, no momento do plantio das espécies vegetais, surge a possibilidade de criar uma composição com as muitas espécies aptas a viver neste ambiente com pontos, linhas, planos, ritmos e tramas. Cada planta, com sua cor e textura, vira um elemento compositivo neste grande painel. 

É preciso solucionar a carência de verde nas metrópoles, onde também existe a forte presença das chamadas empenas cegas -- paredes sem janelas em prédios. Estes “não-lugares” são catalizadores dos problemas urbanos e existem em sua paisagem como prova da consequência negativa de uma cidade que cresce sem consciência.

Por se tratar de uma questão coletiva, o m.90 convida todos a apoiar a instalação de jardins verticais em empenas cegas no contexto urbano. O m.90 é a intenção de tornar a cidade um lugar mais agradável e habitável, através da instalação de parques verticais, acreditando poder catalisar o melhor que há nos grandes centros urbanos: a relação de troca entre os tantos habitantes que aqui criam e partilham.